segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

O poço

Está tudo tão distante. Tento me levantar, me mexer, mas nada está adiantando. Agora que estou percebendo, estou no fundo do poço. O poço das minhas dores, de desgosto. Ôh não! Por que estou sentindo isso? Esse vazio no peito. Claro, estou no fundo do poço. Um poço sem uma mísera gota d'água.
O céu está limpo, sem nenhuma nuvem ao céu, sinal que não irá chover. Que pena. Poderia usar a chuva para sair daqui, de preferência uma chuva bem forte. Uma tempestade, talvez. Como iria utiliza-la? Ora, é bem simples... Esperaria que o poço transbordasse e boiaria até a superfície.
Hm...E se...E se eu deixasse que eu mesma me transbordasse. Deixa-se de sentir esse vazio no peito e sentisse outra coisa? Amor, talvez. Mas como iria sentir isso? Eu não sei, estou confusa, muito confusa. Respira. Inspira. Pensa, pensa, pensa em algo que tenha amor. Amigos, família, primeiro amor... Bobagem. Prefiro o amor de Deus e dos animais, pelo menos Ele e eles são verdadeiros.